A BENGALA COR DA PAZ…

Quanta tristeza me invade
ao sentir chegar meu fim…
E, em meio a tanta saudade,
sinto saudade de mim!…
HERMOCLYDES SIQUEIRA FRANCO (26.05.1929 – 08.08.2012)

 


Hermoclydes Siqueira Franco

     Hermoclydes Siqueira Franco era daquelas pessoas carismáticas. Extremamente educado e gentil, era um trovador de estilo refinado. Viúvo no ano 2000, anos depois contraiu núpcias com a senhora Maria Aparecida, que era de Lumiar, distrito de Nova Friburgo, e transferiu domicílio para o município serrano.Em 2004 o casal esteve em Jambeiro/SP, junto com Edmar Japiassú, Maria Lua e tantos outros poetas que lá estiveram, prestigiando o 4º concurso de trovas por nós realizado na pequenina e simpática cidade próxima a Caçapava e São José dos Campos.

     Em 2007 estive na casa deles, em Lumiar, aproveitando minha ida aos Jogos Florais de Nova Friburgo. Almoçamos juntos várias vezes: em São Paulo, em Pouso Alegre, etc. A Trova e a União Brasileira de Trovadores têm esse dom de aglutinar pessoas das mais distintas regiões, religiões, profissões e convicções, imbuídas do mesmo sentimento: o amor à Trova.

     Foi assim que conheci Hermoclydes. Em 1999, creio eu. Ou 2000. Uma amizade que durou mais de doze anos. Até o dia 08 de agosto de 2012, quando ele foi convocado por Deus, para outra missão.

     Algumas trovas de sua lavra merecem lugar especial em qualquer coletânea:

A bengala cor da paz,
que o homem cego conduz,
tem um mistério que faz
o som transformar-se em luz!

Às vezes, troféus de glória
e incensos de aduladores
podem fazer da vitória
o ocaso dos vencedores!…

A vida é dura batalha
que não aceita um “talvez”
e nem outorga medalha

aos filhos da timidez!

A fraqueza é um artifício
que leva alguém, sem escalas,
a abrir as portas do vício
e não saber mais fechá-las!…