AGENOR DE OLIVEIRA FREITAS nasceu em Altamira/PA em 29 de março de 1911, filho de Osório de Oliveira Freitas e Joana Fontenelle de Freitas. Em 1951 transferiu-se para a capital paulista e, depois, para Santos. Era funcionário da Refinaria Presidente Bernardes. Seu primeiro livro foi um romance: "Tuxaua Branco", em 1957.

Roseira, perdeste a flor,
bem igual é o meu destino:
eu também perdi na dor
os meus sonhos de menino!

Luar! Olhar do infinito
lançado sobre a amplidão!
Presente claro, bonito,
derramado pelo chão!

No oceano da Esperança
aventurei-me a viajar.
A bússola era a lembrança
das promessas desse olhar!

A vitória sempre tem
uma dívida a pagar:
haver tomado de alguém
o que tentava alcançar!

Nas águas mansas de um rio
há muita pedra escondida.
Num sorriso doce e frio
muita revolta contida!

Ó praia, doce canção,
refúgio da minha vida;
toalha branca no chão,
que a aurora deixou caída!