ALOÍSIO BEZERRA, nascido em Massapê/CE, em 25 de outubro de 1925. Aposentou-se como funcionário do Banco do Brasil. Publicações: "Rimas do Coração"(sonetos), em 1952, "Minhas Trovas", em 1977 e "Que Glória é ser Trovador!", em 1981.

O mundo gira, lascivo,
com todos os vícios seus,
violento, injusto, opressivo,
porque distante de Deus!

Neste mundo de defeito,
no perpassar destes anos,
vivemos sem ter direito
aos tais DIREITOS HUMANOS!

Eu vejo um mundo safado,
sem fé, sem paz, em meu pranto,
só rejeitando, aloucado,
o que é de Deus, o que é santo!

A tragédia em profusão,
vai matando em tom profundo:
- É Deus chamando a atenção
dos pecadores do mundo!

Essas constantes matanças,
o roubo e a imoralidade
navegam nas águas mansas
e negras da impunidade!

Inda veremos nas liças,
outros horrores insanos,
por causa das injustiças
e dos delitos humanos!

Felicidade - eu diria,
através da sutileza,
é uma fração de alegria
entre inteiros de tristeza!

Carro-de-bois, és toada
cadenciada e sem fim;
enquanto gemes na estrada,
mais geme a saudade em mim!