ANITA THOMAZ FOLMANN, prestigiada poetisa/trovadora pontagrossense, falecida em 12 de janeiro de 2006.

É tão perfeita a harmonia
com que a vida nos sorri,    (Menção Especial, Porto Alegre-1997)
que vives minha alegria
e eu vivo a que vem de ti.

Lua minguante, cinzenta,    (M. H. São Bernardo do Campo-1986)
no seu rápido pernoite,
é tecelã sonolenta
tecendo as sombras da noite.
 

 A primavera me volta
neste outono, já, da idade,
quando minha alma se solta
e vai buscar a saudade.
 

Impossível nesta idade
não lembrar coisas passadas;                         (UBT SP, 1992)
pois a memória e a saudade
andam sempre de mãos dadas.

Morto o amor no coração
perde a vida seu encanto,     (Clube Militar RJ, 2000)
e a cigarra da ilusão
canta seu último canto.

O mistério mais profundo
que a ciência não alcança,
é a mãe trazer para o mundo,   (Bandeirantes, 1998)
do seu ventre, uma criança.