Pelo peso da bagagem,
pelos beijos em excesso,    (M. Especial  Porto Alegre - 1987)
senti que a tua viagem
não teria mais regresso!...

Se houver excesso de abraços,     (Nova Friburgo - 1985)
a culpa foi da saudade
que me lançou nos teus braços,
transbordando de ansiedade.

Nuvens... e o sopro do vento,
dentro da noite, a rompê-las,     (M. Honrosa Niterói - 1982)
espalha no firmamento
uma aquarela de estrelas!

O tempo?  A gente não sente...       (Nova Friburgo - 1978)
Ah!... Este tempo apressado:
cada momento presente
já é momento passado!

Com coração de "portuga"
transplantado, Zé da Rola   
(Nova Friburgo, 1971)
tá pior que sanguessuga,
pra pescoço de crioula!

Homem gordo é o "seu" Tadeu,
nunca vi tamanha pança.
- Foi com razão que nasceu
sob o signo da balança!