ANTONIO ZOPPI, paulista do município de Americana, nasceu a 30 de abril de 1931, filho de Nazareno Zoppi e Thereza Caritá Zoppi. Poeta, escritor, jornalista, foi um dos fundadores do jornal "O Liberal', de seu município. Entre os dez livros publicados, "Musa de Arrabalde" - 1955, foi o primeiro. Falecido em 20 de agosto de 2000.

 

(trova nº 1965 do livro "Meus Irmãos, os Trovadores", de Luiz Otávio"
Vim do Nada. Nada tenho.
Não fui nada e nada sou.
Não me lembro de onde venho
e não sei para onde vou.

Ao que da vida reclama,
esta verdade convém:
quem não tem tudo que ama,
deve amar tudo o que tem.

Na biblioteca da vida
meu livro também figura.
Tem capa amarelecida:
Prêmio Nobel da Amargura.

É tolice andar somente
maldizendo a indiferença,
pois ninguém pensa na gente
tanto quanto a gente pesa.

Não corra, não tenha pressa,
ande sempre devagar;
tudo chega mais depressa
para quem sabe esperar.

Quando à festa vens, querida,
em minha casa modesta,
a festa ganha mais vida
e a vida ganha mais festa!

Que um novo amor cura o tédio,
diz você, que nada pensa.
Eu preciso é de um remédio
e não de nova doença.

O Homem sempre há de penar
nas mãos da mulher que amou:
antes por querer casar,
e, depois porque casou.

Tenho fãs, porém, nenhuma
me interessa tanto assim,
e aquela que me interessa
não se interessa por mim.