ASCENDINO DE ALMEIDA, nasceu em Catolé do Rocha / PB, em 25 de fevereiro de 1916 e faleceu em Natal, a 11 de novembro de 1989 . Consta ainda, como tendo sido poeta, cronista, diplomado em Odontologia, professor da UFRN, membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras.  As trovas abaixo fazem parte de uma coletânea intitulada "Coletânea de Trovas Brasileiras" - 1977, página 63.

 
A bondade não tem dono,    (1º lugar Maringá/PR 1977)
nem mesmo pátria ela tem,
mas sem cansaço e sem sono,
aonde vai leva o bem.

Criança, fui bem feliz,
não posso queixar-me agora:
se tive mais do que quis,
devolvo as sobras de outrora.

Corre a estrela e tremeluz
sob invisível açoite,
como lágrima de luz
na face negra da noite.

As duas vinham brigando,
não sei a razão por que,
pois só no fim ouvi quando
uma disse: "Vá você"!