ATHAYR CAGNIN  nasceu em Cachoeiro do Itapemirim/ES, no dia 20 de novembro de 1918, filho dos imigrantes italianos Urbano Cagnin e Josefa Volpato Cagnin. Odontólogo e professor.  Livros publicados: "O aparelho fonador e a articulação dos fonemas" (tese de concurso) - 1948,  "Seixo Rolado" ( poesias) - 1982,  "Cantigas em quatro linhas" (trovas) - 1996, além de participar de várias antologias. Faleceu em Cachoeiro, no dia 24 de setembro de 2012, aos 93 anos e 10 meses.

Subo a ladeira comprida,
com tal ânsia de te ver,
que não me cansa a subida;
- o que me cansa... é descer...

Coração, ave sem penas,
às penas do amor sujeito,
não sei se vives ou penas
na gaiola do meu peito.

A loura finge embaraços,
a morena se controla;
mas a mulata, em meus braços,
tem soluços de viola.

Quando quero o seu carinho,
faço uso da razão:
- numa das mãos levo o pinho
...e um presente na outra mão...

Na penumbra do teu ninho
o abajour - foco indeciso -
é que me mostra o caminho
que conduz ao paraíso.