III CONCURSO DE TROVAS/NAC. e INTERNACIONAL - TEMA: ESTRADA/1971
(o primeiro realizado a níveis nacional e internacional)
 
1º lugar: Luiz de Carvalho Rabelo/RN
Para a escola vai cantando
a linda e loira criança.
E eu vejo o futuro andando
pela estrada da esperança.
 
2º lugar: Ciro Vinot/SP
Quando uma estrada é florida,
outra é espinhosa demais.
Por isso não há na vida
duas estradas iguais...
 
3º lugar: Ciro Vinot/SP
Vazio, um par de chinelas
jaz, sob a cama, no chão,
e, mirando-as, vejo nelas
a estrada da solidão!
 
4º lugar: Carolina Ramos/SP
Estrada suave, florida,
teu amor me prometeu
- espinhos colhi na vida...
- as flores, quem as colheu?
 
5º lugar: Carolina Azevedo de Castro/RJ
Folhas mortas, esquecidas
pela estrada; tu e eu...
Somos páginas partidas
de um livro que ninguém leu.
 
6º lugasr: Corintha Maciel Chama
Rio - estrada caminhando
que leva em plena corrente
uma saudade boiando,
levando um pouco da gente
 
7º lugar: Solon Wnderley/RN
Das mil estradas da vida,
por uma, Jesus desceu.
- Quero galgar-lhe a subida...
Pobre mortal: Quem sou eu?
 
8º lugar: Carolina Azevedo de Castro/RJ
Disse-lhe adeus e à medida
que dele fui me afastando,
pedaços de minha vida
foram na estrada ficando.
 
9º lugar: Carolina Azevedo de Castro/RJ
Pela estrada, caminhando
à sombra da soledade,
vou sozinha carregando
o madeiro da saudade.
 
10º lugar: V.C. Soares de Sousa/SP
Árvore seca da estrada,
vendo-te, assim, fenecida,
sinto, n'alma estrangulada,
todo o abandono da vida.
 
11º lugar: Célio Grunewald/MG
Tomba a noite... O mundo sonha!
Foge a lua recatada!
E a saudade vai, tristonha,
soluçando pela estrada!...
 
12º lugar: Luiz de Carvalho Rabelo/RN
Quando vamos, de mãos dadas,
em busca de nosso ninho,
a mais rude das estradas,
torna-se um doce caminho...
 
13º lugar: Ciro Vinot/SP
Vai, sem lua, o céu ficando
tão escuro, tão profundo,
que lembra Jesus, chorando
pelas estradas do mundo.
 
14º lugar: Wilson Dantas/RN
Talvez menos dor sentisse
a sofrida humanidade,
se em toda estrada existisse
somente a luz da verdade.
 
15º lugar: Carolina Azevedo de Castro/RJ
Não corras tanto à procura,
talvez de um falso tesouro.
Nem sempre na estrada escura,
aquilo que brilha é ouro.
 
COMISSÃO JULGADORA:
 
Antonio Expedito Pequeno
Julio Cezar da Camara
Jayme Paulo Filgueira
Hilda Araujo
Maria Dalvaci Dantas
 
 
III ÂMBITO INTERNACIONAL - TEMA: ESTRADA/1971
 
1º lugar: Hermínio Beato de Oliveira-Portugal
Resta-me a sombra - esse nada
que o sol, de dia, me empresta...
E, à noite... Fico na Estrada,
sem o nada que se resta...
 
2º lugasr: Dimas Lopes de Almeida -Vila Nova de Gaia-Portugal
Quem rasgou estrada larga
no mar, não soube o que fez:
Fez nascer saudade amarga
no coração português.
l
3º lugar: Carlos Manuel Cardoso - Faro - Portugal
Indo de rastros... Ladrilho
a minha estrada... Mas vou
- vou ensinando ao meu filho
o que meu pai me ensinou.
 
COMISSÃO JULGADORA:
 A mesma do tema: ESTRADA em nível nacional.
MATERIAL ENVIADO PELO PROFESSOR GARCIA