CONCURSO NACIONAL

Tema: ACALANTO

VENCEDORES (por ordem alfabética de autores):

Francisco Garcia de Araújo /Caicó-RN
                À espreita de um novo encanto,
                o orvalho que a noite chora...
               É lágrima de acalanto
               que beija a face da aurora!
                                               

Jessé Nascimento./ Angra dos Reis-RJ
        Nos meus momentos tristonhos,
      quando a incerteza me alcança,
      vou acalentando os sonhos
      com a canção da esperança.
 
Manoel Cavalcante de Souza Castro/ Pau dos Ferros-RN

              A brisa, leve em seu canto,
              na voz de um timbre sem dono,
             é quem solfeja o acalanto
             pra noite pegar no sono...

                                               
Maria Madalena Ferreira/ Magé-RJ
                                                         Enquanto a lua desfila,
                                                         em suas noturnas rondas,
                                                         a praia dorme - tranquila -
                                                         sob o acalanto das ondas!

       
Vanda Fagundes Queiroz (2 trovas)/ Curitiba-PR
Quem me acorda o pensamento           Na paz da roça, ouço o canto
é tua voz, disfarçada                        de um galo... e esta sinfonia,                  
pelo acalanto do vento                       sempre, é o primeiro acalanto
na pauta da madrugada.                    que embala o raiar do dia.
         
                                     
MENÇÕES  HONROSAS(por ordem alfabética de autores):
 
Alba Helena Corrêa (2 trovas)/ Niteroi-RJ
Ouço pássaros cantando:                     Neste cenário de encanto,
Que harmonia sem igual!                     que a “Mãe-Natureza” empresta,
É um acalanto vibrando                         cantam mavioso acalanto
de um deslumbrante coral!                      os passarinhos em festa!
                             
Eduardo A. O. Toledo/ São Sebastião da Bela Vista-MG
Em busca de um acalanto,
em meio à terceira idade,
eu só encontro em meu canto
os acordes da saudade!
             
Gerson Silvestre Alencar Gonçalves/ Belo Horizonte-MG
Quando a fauna, sob o manto
do luar, dorme na mata,
vento entoa um acalanto
em coro com a cascata.
                      
Mercedes Lisbôa Sutilo/ Santos-SP
    Descanso na rede enquanto,
    do jardim, sinto os odores
    e ouço o singelo acalanto
    da brisa beijando as flores...
                                   
Selma Patti Spinelli/ São Paulo-SP
        Claves de Sol...e outras claves,
        sonoridade febril
         e o acalanto das aves
        faz musical meu Brasil.
                         
MENÇÕES ESPECIAIS(por ordem alfabética de autores):
 
Campos Sales/ São Paulo-SP
Sabiá que me acalanta,
cantando na tarde calma,
parece até que ele canta
empoleirado em minha alma!
           
Dáguima Verônica de Oliveira/ Santa Juliana-MG
                             Quem se eleva sobre o pranto
                             não teme a noite vazia
                             e ao som de um velho acalanto
                             nina a própria nostalgia...                                                  

Dodora Galinari/ Belo Horizonte-MG
                                                       Recolhida no meu canto,
                                                       um acalanto me invade;
                                                       fecho os olhos e me espanto
                                                       ouvindo o som da saudade!
       
Ercy Maria Marques de Faria/ Bauru-SP
É num sussurro que o vento,
diante da roseira em flor,
entoa, por um momento,
um acalanto de amor!
     
José Lucas de Barros/Natal-RN
Tua voz de passarinho,
além de enxugar meu pranto,
canta o amor de nosso ninho
e é meu último acalanto!
      
.............................................................................................................................................................

Tema: SOMBRA  (humorísticas)

VENCEDORES(por ordem alfabética de autores):
 
Arlindo Tadeu Hagen/ Belo Horizonte-MG
      A garota magricela
      é tão feia que me assombra.
      Parece até que a mãe dela
     não deu à luz... deu à sombra.
            
Edmar Japiassu Maia/ Nova Friburgo-RJ
          Tira um olho... tira a farda...
          tira a perna de mentira...
          E, à sombra, a pirata aguarda
          pela espada...que não tira!
 
Giva da Rocha/ São Paulo-SP
                          Uma sombra inquietante
                          seguiu a “bela”, na rua:
                          -Mais um fã... que interessante!
                          -Passa a bolsa aqui, Perua!
                   
José Ouverney/ Pindamonhangaba-SP  (duas trovas)
  Sustentar sogra, cunhada,                Ela é “a luz da minha vida”
  sobrinho... é mesmo uma cruz!         e esta ideia me seduz;
  É muita “sombra” abrigada               o que me afasta e intimida
  em um só foco de luz!                    é a sombra da...”mãe da luz”!...
                             
Roberto Tchepelentyky/ São Paulo-SP
Agora entendo a expressão
do barbeiro, que me assombra:
- “Teu cabelo, em mutirão,
não dá nem pra “fazer sombra”!...
                                            
MENÇÕES HONROSAS(por ordem alfabética de autores):
 
Antonio Augusto de Assis/ Maringá-PR
Um gato esperto e traíra,
numa sombra, escondidinho:
-Ou tem a gata na mira,
ou o filé do vizinho...
                                                                        
Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho/ Juiz de Fora-MG
O garoto se insinua
perante a namoradinha:
-Minha sombra com a sua
será que fazem sombrinha?
                                                                                   
Jessé Nascimento/ Angra dos Reis-RJ
           Um amigo se gabava
           de ser um grande machão;
           mas no dentista suava,
           nem sombra do valentão...
                                          
Marisa Rodrigues Fontalva/ São Paulo-SP
Conselhos ela repele
mas aceitou sugestão...
Pra salvar a própria pele
vive à sombra do patrão!!!
                                         
Relva do Egypto Rezende Silveira (2 trovas)/ Belo Horizonte-MG
Pai repreende e não poupa             Nas sombras da sacristia,
a filha no quarto dela:                   degusta, a beata, sem dó,   
-Sombra não sai pondo a roupa,     vinho de missa... e, na pia,
nem periguete é donzela.              repõe com H²O.
                   
MENÇÃO ESPECIAL(por ordem alfabética de autores):

Dilva Maria de Moraes/ Nova Friburgo-RJ
  Na sombra, todo enfolhado,
  cochila sob um coqueiro
  e acorda todo picado,
  pois deitou num formigueiro!
                                    
Dodora Galinari/ Belo Horizonte-MG
 “Eu vejo sombra no armário”,
diz o marido encrenqueiro.
Viúva pega o rosário:
- É o fantasma do primeiro!...
        
Fábio Siqueira do Amaral/ Bom Jesus dos Perdões-SP
    Bem no quarto da empregada,
    com as mãos em seu corpete,
    sinto a sombra desvairada
    da patroa e do porrete
                                   
Gerson Silvestre Alencar Gonçalves/ Belo Horizonte-MG
Chama o velho:-Ó,Morte, vem!         Qual Romeu de Shakespeare,
E sob o fardo caminha.                    beijei o vulto à janela.       
Surge a Sombra:- Aqui me tem!        Só quero agora cuspir,
e ele:- Dá uma mãozinha?               pois a sombra era o pai dela!
                               
Gilvan Carneiro da Silva/São Gonçalo-RJ
 Fila enorme... O sol esquenta...
E atrás da “imensa” donzela,
a confusão mais aumenta
pra ficar na sombra dela...
                              
......................................................................................................................................................
 
2º) Concurso Estadual-RS             
 
Tema SERESTA(todas as relações aparecem por ordem alfabética de autores)
 
VENCEDORES:
 
Gislaine Canales/ Porto Alegre-RS
  Seresta...trazes saudade
       de um passado bem risonho,
longe da realidade,
        mas na moldura do sonho!
                                               
Luiz Damo/ Caxias do Sul-RS
       Cai na relva a bruma amena
no aroma da nostalgia
    e aos pés da noite serena
a seresta da magia.                                               
 
Milton Souza/ Porto Alegre-RS
Cantando, chamei por ela...
...e a seresta se perdia...
O vento abriu a janela
silenciosa e ... vazia...
                                  
 
MENÇÃO HONROSA:
 
Delcy Rodrigues Canalles/Porto Alegre-RS
Enchendo a noite prateada
do canto de mil serestas,
as canções, na madrugada,
têm a dimensão de festas!        
 
Flávio Roberto Stefani/Porto Alegre-RS
Seresta... a chuva... o luar...
O vinho... a taça... o desejo...
-Vale a pena a gente amar,
quando o amor é o grande ensejo!                                    
 
Lúcia Barcelos/Porto Alegre-RS
Tua voz desliza mansa,
vibra calor e doçura,
são notas que o céu alcança
em serestas de ternura!
                                                    

MENÇÃO ESPECIAL:
 
Ialmar Pio Schneider/Porto Alegre-RS
                                           Quantas serestas, meu Deus,
                                            eu já fiz na mocidade;
                                            revivei, amores meus,
                                            quero morrer de saudade!
                                
Lisete Johnson/Porto Alegre-RS
Com minha alma em primavera
e os sonhos de um trovador,
em vão, eu fiquei à espera
de uma seresta de amor!
                         
Neoly de Oliveira Vargas/ Sapucaia do Sul-RS
Da mocidade, das festas,
me vem emoção tão bela,
daquelas lindas serestas
junto da minha janela.
       
...................................................................................................................................................
 
Tema PIZZA(todas as relações aparecem por ordem alfabética de autores)

VENCEDORES:
 
Ialmar Pio Schneider/Porto Alegre-RS
Quem come pizza demais,
pode saber, com certeza,
que os efeitos especiais
vão ser sua sobremesa.
       
Milton Souza/Porto Alegre-RS
A política vai mal:
é falcatrua à vontade...
E tem pizza no final,
com sabor de impunidade...
         
Sérgio Becker/Porto Alegre-RS
De variados sabores
a pizza é italiana;
na política, senhores,
se torna bem brasiliana.
           
 
MENÇÃO HONROSA:
 
Flávio Roberto Stefani /Porto Alegre-RS
Na pizzaria do Adão,
só para economizar,
tem cheiro de camarão,
mas nada de paladar...
        
Gislaine Canales/Porto Alegre-RS
Viva pizza, tudo enfim,
em nosso Brasil querido,
e não sobra para mim
nenhum pedaço perdido!
          
Zélia Maria De Nardi/ Caxias do Sul-RS
A pizza era um presente
para a noiva, com carinho;
o Ofice Boy “impaciente”
comeu toda no caminho.
    
 
MENÇÃO ESPECIAL:
 
Flávio Roberto Stefani/Porto Alegre-RS
Por ser pequeno o negócio
do Neco - uma pizzaria -,
a esposa, de tanto ócio,
foi-se embora com o vigia..
 
Lisete Johnson/Porto Alegre-RS
A sua pizza sustenta,
pois o “bucho” fica cheio...
depois de tanta pimenta,
um galão de água e meio!
                        
Luiz Machado Stabile/ Uruguaiana-RS
A governanta, Anabela,
foi com ele à pizzaria:
encontrou o marido dela
e a noiva dele - a Maria...
===========================                               

CONCURSO INTERNACIONAL LINGUA HISPANICA

TEMA ACALANTO

VENCEDOR
 Mi acalanto suele ser
cuál vuelo de mariposa
o como el ruído al caer
del pétalo de una rosa.
                                  Jose Hector Rodriguez - ARG
 
MENÇÃO HONROSA
El acalanto es poesía
cuando se entona el arrullo,
porque es la Virgen María
cantándonos en murmullo...
                                              Ángela Desirée Palacios - VEN

                                         MENÇÃO ESPECIAL
Mi madre con su acalanto
puso ternura en mi vida,
a ella le debo yo, tanto!
Es de mi la más querida.
                    Libia Beatriz Carciofetti - ARG

============
TEMA SOMBRA

VENCEDOR
Un fantasma me rozó
en la sombra de la noche.
El ave, su vuelo alzó,
mi fantasma fue fantoche.
                                 Maria Cristina Fervier - ARG

MENÇÃO HONROSA
Cuando la sombra me espanta
adentro del campo santo,
un ánima se levanta
y del susto me atraganto.
                                     Libia Beatriz Carciofetti - ARG

MENÇÃO ESPECIAL
En medio del camposanto
un ánima me chistaba.
                 La sombra assusta al más santo.
Torpe lechuza ululaba.
                                           Maria Cristina Fervier - ARG