(Claret e José Ouverney)
ANTONIO CLARET MARQUES

nasceu em Guaxupé, Minas Gerais, em 27 de Junho de 1939, filho de Manoel Luiz Marques e Sebastiana Gusmatti Marques. Gráfico. Há muito tempo comanda uma delegacia da Trova em Guaxupé, tendo ali organizado já vários concursos de âmbito nacional.  Detém o título de "Notável Trovador" obtido em Pouso Alegre.

 

Nos meus tempos de menino
tinha na palma da mão
a fieira do destino
nas voltas do meu pião!

O meu tempo joguei fora
em coisas fúteis, banais;
preciso de tempo agora
e tempo não tenho mais.

Poeta, faço do verso                     (1º lugar "estadual" em Pouso Alegre - 2003)
o meu sublime mister,
e me inspiro no universo
do teu corpo de mulher!

Jamais estive entre os sábios,           (2º lugar "estadual" em Pouso Alegre - 2002)
nem de ser sábio preciso,
que a ciência dos teus lábios
aprendi com teu sorriso!

Num merecido descanso                (1º lugar estadual em Pouso Alegre - 1999)
a velhinha veneranda
na cadeira de balanço,
enche de encanto a varanda!

Pelo seu corpo, os meus dedos       (1º lugar estadual em Pouso Alegre - 1998)
atrevidos, sem temor,
vão escrevendo os enredos
da nossa história de amor.

A esperança, não me iludo,     (13º lugar em Sete Lagoas - 1997)
é toda fundamentada
numa promessa de tudo,
numa certeza de nada.

Ferve-me o corpo se penso
nestas coisas sempre falhas:
para o meu amor imenso,
o teu amor de migalhas.

O teu corpo, esse universo,
do qual sou dono e senhor,
é que põe fogo em meu verso
e faz arder nosso amor!

É no perdão, não me engano,
que o homem atinge o destino
de elevar-se, sendo humano,
ao plano do Ser Divino.

Entre a bebida e o cigarro,
o sono tarda, não vem;
na longa noite me esbarro
na imensa falta de alguém.

Ferve-me o sangue se penso
nessas coisas sempre falhas:                 (Menção Honrosa Barra do Piraí, 1996)
para o meu amor imenso,
o teu amor de migalhas.