www.falandodetrova.com.br/decalogo

 

COMO APRENDER E FAZER TROVAS - UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES

Comissão de Estudos sobre Metrificação

Presidente e Relator: Luiz Otávio

                    INTRODUÇÃO

Este trabalho é um resumo de um Ensaio e de um Relatório, ambos sobre
Metrificação, de autoria de Luiz Otávio.

               O INSTRUMENTO

     Ao estudarmos a Arte de trovar ou a composição da Trova, devemos analisá-la em duas partes: o Corpo e a Alma, ou a Forma e o Fundo. Na parte correspondente à Forma teríamos o Ritmo - resultante do metrificação e das tônicas; a Melodia - conseguida pelas rimas e pelo emprego harmonioso das vogais e consoantes; e a expressão gramatical e poética , Na parte correspondente ao Fundo, teríamos: a Mensagem poética, a originalidade (e o "achado"), a comunicabilidade, a simplicidade, a harmonia interna, etc. A UBT iniciou os seus estudos por uma das partes da Forma ligada ao Ritmo, ou seja especificamente - pela metrificação.

     Não se pretende ensinar a ninguém a ser trovador, como não se pode fazer um pintor, um músico, um escultor. Todos as Artes têm, no entanto, sua aprendizagem técnica. Além destes conhecimentos é necessário o dom. Se não podemos transmitir este dom, poderemos ensinar a porte formal ou técnica de cada Arte. Na Música, Pintura, etc., esta aprendizagem é feita rotineiramente. Na Arte de versejar há uma resistência em fazê-la e mesmo uma tendência para menosprezá-la. E às vezes, esta deficiência aparece camuflada com o pomposo lema de "Liberdade poética". Mas não se pode torcer os fatos. Se o músico aprende a tocar o seu instrumento, o poeta também possui um instrumento de comunicação e deve aprendê-lo. E o idioma e o verso são os instrumentos do poeta.

               RAZÕES PARA ESTE ESTUDO

     Temos recebido, através dos anos, muitas consultas verbais e epistolares, de trovadores que desejam saber como deveriam contar as sílabas dos seus versos. Por outro lado, tomando parte em muitas Comissões Julgadoras de Concursos de Trovas, observamos inúmeras discussões, com perda de tempo de exaltação de ânimos, devido às diferentes interpretações dos regras de metrificação. Há, também, em alguns livros especializados, deficiências de explicações e até mesmo alguma obscuridade. Achamos pois, que deveríamos fazer estes estudos, buscando um "denominador comum" ou uniformização de normas do UBT em seus Concursos de Trovas. Seria uma sistematizacão útil para concorrentes e juizes, extensiva a outros gêneros e a outras Associações. Além da utilidade para iniciantes, concorrentes e juízes, estes estudos poderão dar um grande prestígio literário à UBT, pelo seu pioneirismo e pela sua profundidade.

               DÚVIDAS E DESCONFIANÇAS

     Várias dúvidas e desconfianças poderão surgir no espírito daqueles que não estiverem bem entrosados com as nossas pesquisas ou desconhecerem as finalidades de nossos estudos.

     Que não se julgue, por exemplo, que a UBT está exorbitando de suas
funções ao fazer um estudo destes. Nenhuma Associação do País, nestes
15 anos tem organizado tantos Concursos de Trovas. Calculamos que
nossas Seções e Delegacias receberam de seiscentas a novecentas mil
trovas. Assim pois, mais do que ninguém, sentimos o problema e a
necessidade de resolvê-los.

     Além de dúvidas sobre métrica, havia dúvidas sobre certas designações.
Vamos também tentar desfazê-las.

     Não há, como pode parecer, a qualquer crítico mais apressado, um culto
exagerado da Forma, em detrimento do Fundo. Começamos o estudo pela
metrificação porque era o ponto que oferecia mais dúvidas e discussões. E também, porque a metrificação é algo de objetivo que poderemos regulamentar e chegar a um acordo. Ao passo que o Fundo (a mensagem) é algo imponderável, subjetivo.

     Uma dúvida que a muitos desanima e inquieta é que seja impossível
encontrar um "denominador comum" porque os casos de divergências são
inúmeros e complexos. Isto é apenas uma impressão inicial. Quando nos
aprofundamos nestes estudos vemos que o assunto não é tão complexo e que podemos catalogar os inúmeros casos em poucos grupos e subgrupos. Foi o que fizemos.

     Há desconfianças ingênuas que até nem mereciam comentários. Mas que
fique bem claro que não pretendemos fabricar trovadores. No entanto,
poderemos ajudar os iniciantes e talvez mesmo a outros trovadores, a
aperfeiçoar a sua parte técnica.

     Não pretendemos, também, mudar a maneira de fazer a trova, nem tirar a sua espontaneidade, nem tolher a liberdade poética de ninguém. Pelo
contrário, defendemos a simplicidade da trova e o seu não
"aparnasiamento" ou "academização". Não é por desejarmos melhor
aprendizagem do forma da trova, ou o encontro de um "denominador
comum" na metrificação que estaremos tirando a sua espontaneidade.
Outras causas que combatemos outros exageros que observamos, estes,
sim, "academizam" a trova, como "enjaibements" em excesso; abusos de
ordens indiretas; o culto demasiado de rimas ricas ou raras; a
exigência de tônicas em sílabas predeterminadas; a proibição de rimas
homófonas (nos 4 versos) e de rimas oxítonas entre o 1* e 3* versos,
etc.

               DIFICULDADES

     Encontramos algumas dificuldades para realizar nossas tarefas. Mas foram superadas. Ora, aquela tendência para menosprezar a Forma; ora, a luta contra as convicções enraizados baseadas em convenções nem sempre lógicas; ora o pessimismo ou derrotismo de alguns que achavam ser a tarefa difícil demais ser terminada; ora, velhos tabus aceitos e repetidos sem uma análise mais profunda, e, finalmente, a má vontade de alguns poucos, que além de jamais cooperarem, vivem sempre a criticar negativamente. Mas o saldo positivo foi bem maior. Além da útil cooperação de muitos Seções, Delegados e Sócios da U.B.T., tivemos também ajuda de alguns que não pertencem à nossa Entidade. A estes os nossos profundos agradecimentos. Aos outros respondemos com o nosso trabalho sério, amplo, profundo e democrático.

               O ENSAIO E O RELATÓRIO, DE LUIZ OTÁVIO.

     Seis meses antes de receber as respostas dos Consultores e Pesquisadores, da Comissão de Estudos da U.B.T., Luiz Otávio escreveu um Ensaio sobre Metrificação com 21 páginas datilografadas, tamanho ofício, que finalizava com um "Decálogo de Metrificação", (Julho-Agosto de 1973). Cópias deste Ensaio foram entregues aos trovadores Carlos Guimarães - Presidente da U.B.T. Nacional, à Carolina Ramos - Presidente da U.B.T. do Estado de São Paulo e de Santos, e a Joubert de Araujo Silva - Vice-Presidente da U.B.T. da GB. Ao ser solicitado por Carlos Guimaraes para acumular a função de Presidente da Comissão de Estudos com a de Relator, Luiz Otávio aquiesceu. Recebeu então de Carlos Guimarães, em janeiro de 1974, as respostas de 43 consultores e de 10 pesquisadores que leram e anotaram 21 livros de Poesias . Elaborou o Relator, 22 grandes mapas, em dois lados e analisou e escreveu o relatório de 43 páginas. Teve o relator a honra e a satisfação de ver que seu Decálogo de Metrificação tinha sido confirmado, após tantos estudos, pesquisas e respostas de
inúmeros trovadores de várias cidades do Brasil. Houve pequenos
ajustes visando a dar maior segurança e clareza ao Decálogo.

               A COMISSÃO DE ESTUDOS, ESTRUTURA, AGRADECIMENTOS

     Agradecemos a cooperação da:

Comissão Central: Luiz Otávio (Presidente Relator), Carlos Guimarães,
Joubert de Araujo Silva, Carolina Ramos, Idália Krau, P. de Petrus e
Noel Bergaminí.

Consultores: Seções da U.B.T. de Belo Horizonte, Campos, Corumbá,
Curitiba. Fortaleza, Guanabara, Magé, Niterói, Petrópolis, Sete
Lagoas, Ateneu Literário e Artístico - IDEALEDA-ANGOLA.

Trovadores e Poetas: José Machado Borges, Vicente Viotti, Lúcio Flávio
de Miranda - Belo Horizonte; Walter Siqueira Campos; Gabriel Vandoni
de Barros, Lécio Gomes de Sousa, Osório Gomes de Barros, Magali de
Souza Baruki, Walmir Coelho - de Corumbá; Vera Vargas - de Curitiba;
Cesar Coelho, Hidelbardo Sisnando, Vasques Filho - de Fortaleza; P. de
Petrus. Iraci do Nascimento e Silva, Guimarães Barreto, Noel Bergamini
Consultores: Seções da U.B.T. de Belo Horizonte, Campos, Corumbá,
Curitiba. Fortaleza, Guanabara, Magé, Niterói, Petrópolis, Sete
Lagoas, Ateneu Literário e Artístico - IDEALEDA-ANGOLA.

Trovadores e Poetas: José Machado Borges, Vicente Viotti, Lúcio Flávio
de Miranda - Belo Horizonte; Walter Siqueira Campos; Gabriel Vandoni
de Barros, Lécio Gomes de Sousa, Osório Gomes de Barros, Magali de
Souza Baruki, Walmir Coelho - de Corumbá; Vera Vargas - de Curitiba;
Cesar Coelho, Hidelbardo Sisnando, Vasques Filho - de Fortaleza; P. de
Petrus. Iraci do Nascimento e Silva, Guimarães Barreto, Noel Bergamini
- Rio de Janeiro; Adolfo Macedo - de Magé; Milton Nunes Loureiro,
Sávio Soares de Souza, Maria de Lourdes do Vale Araujo de Barros;
Maria do Conceição Pires de Melo (Manita), Raul de Oliveira Rodrigues
- de Niterói, Carolina Azevedo de Castro, Hélio Chaves, Farid Félix -
de Petrópolis; Judith Coelho Maciel - de Sete Lagoas; Carlos Guimarães
- do Rio de Janeiro; Carolina Ramos, David Araújo, Luiz Otávio - de
Santos; Dimas Lopes de Almeida de Portugal; Helvécio Barros - de
Bauru; Jacy Pacheco - de Niterói; Lilinha Fernandes; Maria Idalina
Jacobina, Murilo Araújo, Vasco do Castro Lima - do Rio, Rodolpho Abbud
- de Nova Friburgo.

Pesquisadores: Ivo dos Santos Castro, ldália Krau, Lúcia Lobo Fadigas,
Micalclas Corrêa, Maria Idalina Jacobina, P. de Petrus, Noel
Bergamini, do Rio de Janeiro; Carolina Ramos, Luiz Otávio e Maria
Campos da Silva de Santos.

Poetas Pesquisados: Gonçalves Dias, Fagundes Varela, Olavo Bilac,
Vicente de Carvalho, Filinto de Almeida, Hermes Fontes, Raul deLeoni,
Murilo Araújo, Martins Fontes, Vicentina de Carvalho, Alphonsus de
Guimarães, Menoti del Picchia, Manuel Bandeira, Colombina, Florbela
Espanca, Eugênio de Castro, J. G. de Araújo Jorge, Paulo Bonfim,
Antologia de Osório Duque Estrada.

               BIBLIOGRAFIA

Além dos livros de Poesia citados no ítem anterior, foram consultados
outros sobre Arte Poética, como os de Antonio Freire de Carvalho,
Costa Lima. Osório Duque Estrada, Olavo Bilac e Guimarães Passos,
Murilo Araújo, Geir Campos e os Ensaios inéditos de Luiz Otávio e
Micaldas Correa, Foram consultada, também, as Gramáticas de Rocha Lima
(1a. edição) e de Domingos Paschoal Cegalla (12a. edição).

               NOÇÕES SOBRE O VERSO E PONTOS GRAMATICAIS

     Neste pequeno resumo não podemos recordar as noções sobre versos e
pontos gramaticais a ele relacionados. Sugerimos que as noções básicas
do verso, tais como: sílabas métricas, ditongos, hiatos, processos de
diminuição de sílabas métricas (crase, elisão, sinalefa, sinêreses,
síncopes, apócopes, elípses, etc.) sejam recordadas e consultados os
livros especializados, como os citados na Bibliografia.

     Para melhor compreensão do Decálogo de Metrificação, ele vem seguido
de um Glossário, por Ordem Alfabética.
============================================

               DECÁLOGO DE METRIFICAÇÃO

     1) - As sílabas são contadas até a última tônica do verso.

     2) - As pontuações não impedem as junções de sílabas.

     3) - Não se deve fazer o aumento de uma sílaba métrica nos encontros
consonantais disjuntos, (ou seja: não usar "suarabacti").

     4) - Uma vogal fraca faz junção com a vogal fraca ou forte inicial da
palavra seguinte.

     § único - Aceitam-se exceções a esta regra no sentido de evitar a
formação de sons duros e desagradáveis.

     Exemplo: "cuja ventura/única consiste".

     5) - Uma vogal forte, pode ou não, fazer junção com vogal fraca da
palavra seguinte, no entanto jamais deve fazê-la com vogal forte.

     § único - Nos casos em que se prefira a junção "forte + fraca",
deve-se ter sempre o cuidado de evitar sons desagradáveis ("mais que
tu/ardo") ou formar novas palavras ("via ao invés de "vi a...").

     6) - Pode haver a junção de três vogais numa sílaba métrica.

     § 1º - Não deve haver mais de uma vogal forte.

     § 2º - No caso em que a vogal forte não esteja colocada entre as
vogais fracas e sim em 1* e 3* lugar, para que seja correta a junção,
as duas vogais fracas devem juntar-se por crase ou por elisão, e não
por sinalefa (ditongação). Assim, estará certo: "é a ambição que nos prende e nos maltrata", e não se pode unir as três vogais de "e a / íntima palavra derradeira".

     § 3º - Deve ser usada com cuidado a junção de mais três vogais, embora
haja casos corretos de quatro e até de cinco vogais.

     7) - Os ditongos aceitam as prejunções com vogais fracas ("E eu"). As
postjunções são aceitas somente nos ditongos crescentes (encontros
instáveis) ("a distância infinita") e são repelidas nos ditongos
decrescentes. ("Eu sou/a que no mundo anda perdida").

     § único - Há casos de uso facultativo de prejunção de vogais forte aos
ditongos, quando essas vogais são as mesmas dos iniciais dos ditongos
e não forem as tônicas das palavras. (Aceita-se: "Será auspiciosa" e
será inaceitável: "Terá/auto nos pontos".

     8) - Nos encontros vocálicos ascendentes (formados por vogais os
semivogais átonas seguidas de vogais ou semi-vogais tônicas), a
sinerese é de uso facultativo. ("ci-ú- me" ou "ciú-me", etc.).

     § único - Há neste grupo, excepcionalmente, encontros vocálicos que
não aceitam a sinérese. Geralmente, são formados pela vogal "a"
seguida das vogais "a", ou "e" ou "o" (como em: Sa/ara, a/éreo,
a/orta, etc.) ou, alguns casos, do mesma vogal "a" seguida das
semi-vogais "i" ou "u" tônicas, como em: "Para/íso, "ba/ú", etc.

     9) - Nos encontros vocálicos descendentes (formados por vogais ou
semivogais tônicas seguidas de vogais ou semi-vogais átonas) não se
aceita a sinérese ("tua", "lua", "frio", "rio" etc., sim, "tu/a",
"su/a","fri/o", "ri/o", etc.

     § único - Em algumas regiões do Brasil é usada a sinérese nestes
encontros vocálicos, com base na fonética local. No entanto, não será
aceita na Metrificação, em benefício da uniformidade, uma vez que na
maioria dos Estados é feita a separação dessas vogais.

     10) - 0 uso da aférese ("inda", etc), síncope ("pra", etc), apócopes
("mui", e de ectilípse ("com a", "o", "as", 'os") é facultativo.

     § 1º - A junção de "com" mais palavras iniciadas com vogais átonas é
facultativo.

     § 1º - A junção de "com" mais palavras iniciadas com vogais átonas é
correta mas pouco usado. Acompanhando a maioria dos poetas, sempre que
possível, deve ser evitada. ("com amor") etc.

     § 2º - A junção de "com" mais palavras iniciadas com vogais tônicas
não será aceita. ("com esta" etc.).

     § 3º - A junção de fonemas anasalados "am", "im", etc., com vogais
átonas ou tônicas não será aceita. ("formaram" / idéias", "cantaram /
hinos" etc.).

     § 4º - E preciso cuidado com o uso de aféreses, síncopes e apócopes
que, por estarem em desuso ou por formarem, geralmente, sons
desagradáveis, irão ferir a sensibilidade e os ouvidos dos leitores e
dos ouvintes.

               GLOSSÁRIO - Por ordem alfabética, para melhor compreensão do Decálogo
de Metrificação.

     Aférese - supressão de sílabas ou fonema inicial ("/inda").

     Apócope - supressão de sílaba ou fonema final ("mui"//").

     Crase - fusão de duas vogais numa só ("a alma"; "e este" etc.).

     Dierese - transformação de um ditongo num hiato ("sa/u-da-de").

     Ditongo - fusão de uma vogal + semivogal, ou vice-versa; na mesma
sílaba. ("sai", " falei", "Niterói", etc.).

     Ditongo crescente - semivogal + vogal (pátria, gênio, diabo, etc.).

     Ditongo decrescente - vogal + semivogal (pão,meu, dourado, etc.).

     Ectipe - supressão de um fonema nasal final para possibilitar a crase
ou ditongação (sinérese) com a vogal inicial da palavra seguinte.
("com o", "com amor", etc.).

     Elisão - supressão da vogal átona no final de uma palavra. ("Ela
estava" = "Elistava").

     Encontros consonantais - duas consoantes unidas:

a. inseparáveis - ("bl" - bloco; "fl" - "flor", etc) ou "grupos
consonantais",

b. separáveis - ("gn" - ignóbil; "bs" -Observar) ou "encontros
consonantais disjuntos".

     Hiato - uma sílaba terminada, por vogal-base seguida de outra iniciada
também por vogal-base. ("re/eleger", ca/olho, a/éreo, etc.) (Rocha Lima); é o encontro de duas vogais pronunciadas em dois impulsos
distintos, formando sílabas diferentes. (sa/ara, podi/a, sa/úde, etc.)
(Cegalla).

     Encontros vocálicos ascendentes - designação de Luiz Otávio - é o
encontro de duas vogais ou semivogais, pronunciadas separadamente,
sendo a primeira fraca e a segunda forte. (ci/ú-me, vi/o-la, po/e-ta,
cru- el-da-de, etc.).

     Encontros vocálicos descendentes - designação de Luiz Otávio - é o
encontro de duas vogais ou semivogais, pronunciadas separadamente,

     Junção a primeira forte e segunda fraca. ("di/a", "tu/a", "ri/o" , etc.).

     Junção - designação de Luiz Otávio - no sentido generalizado para
traduzir a união de sílabas métricas, Abrange pois, os diferentes
processos de diminuição de sílabas poéticas. (comumente e erradamente
empregada pela maioria dos poetas como elisão). Ver no Glossáuro, os
vários processos ou métodos para diminuir as sílabas métricas ou
processos de fazer a junção de sílabas: crase, elisão, sinalefa,
sinérese, alferese, síncope, apócope e ectipse.

     Postjunção - designação de Luiz Otávio - junção posterior a uma sílaba
ou palavra.

     Prejunção - designação de Luiz Otávio - junção anterior a uma sílaba ou palavra.

     Semivogais - são os fonemas "i" e "u", quando ao lado de uma vogal
formam uma sílaba com elo. (Assim em: "pai", "mau", o "i" e o 'u"
funcionam com valor de consoante, em "lu-ta", vi-da", funcionam com
função de vogal).

     Sílaba ou métrica ou poética - são sílabas nos versos, (contagem
diferente das sílabas gramaticais).

     Sinalefa - fusão ou junção de vogais ou semivogais, entre duas
palavras, formando ditongo (Este amor" = "Estiamor").

     Síncope - supressão de fonema ou sílaba no meio da palavra ("p/ra").

     Sinérese - transformação de um hiato em ditongo, na mesma palavra.
("ci-úme" em ciú-me".

     Suarabacti - "aumento de uma sílaba métrica, pela pronúncia das vogais
de apoio, nos encontros consonantais disjuntos". (Luiz Otávio)
"i-gui-no-rar".

     Tônica - sílaba forte, acentuada. Vogais - "Fonemas sonoros, que se produzem pelo livre escapamento do
ar pela boca e se distinguem entre si por seu timbre característico",
(Rocha Lima).

     Vogal forte ou fraca - a vogal átona ou acentuada (tônica) da palavra ou verso.

               TROVAS DEMONSTRATIVAS DA APLICAÇÃO DAS DEZ REGRAS DA METRIFICAÇÃO

     Estas trovas foram feitas para demonstrar os diferentes casos de
aplicações das dez regras da metrificação. Têm, pois, finalidade
didática. Devemos observar em cada uma, pela numeração, aplicação
correspondente. O conteúdo não tem relação com as regras, mas tão
somente com as formas das trovas. O fundo está relacionado com as
mensagens generalizadas sobre os estudos de Metrificação. Portanto,
julguem-nas como utilidade didática e como curiosidade, e não corno
valor artístico.

(Luiz Otávio - Santos, 26/03/1974).

     1ª regra - (última tônica)

Poderá a força elétrica

de um sábio computador

ensinar contagem métrica

mas não faz um trovador...

     2ª regra - (pontuação)

Pensa em calma! Evita errar,

Injusto é se nos reprovas,

pois não queremos mudar

o modo de fazer trovas.

     3ª regra - (encontros consonantal)

Você pode acreditar,

ter a pura convicção

que a ninguém vou obrigar

a ter a minha opinião...

     4ª regra - (vogal fraca + fraca)

Podes crer és muito injusto

e estás longe da verdade,

pois na trova a todo custo

defendo a espontaneidade...

     5ª regra - (vogal forte+ fraca)

É uma história bem correta

em tudo o ensino é preciso,

no entanto, só o poeta

quer ser gênio de improviso...

     6ª regra - (junção de três vogais)

Esta é uma regra indiscreta,

convenções, mal amparadas,

induzem muito poeta

a convicções enraizadas.

     7ª regra - (ditongos)

Para medir nossos versos,

se o ouvido fosse o juiz,

em nossos metros diversos

ninguém poria o nariz...

     8ª regra - (encontros vocálicos ascendentes)

Na trova, soneto ou poema,

em toda parte do mundo

se a Forma é o seu diadema,

a sua alma é sempre o fundo!

     9ª regra - (encontros vocálicos descendentes)

As dúvidas são pequenas

não sejas tão pessimista,

dá-me a tua ajuda, apenas,

e será bela a conquista.

     10ª regra - (licenças: aféreses, síncopes, apócopes, ectlipses).

É mui// feio criticar(apócope)

/inda que seja um direito (aférese)

pra ser justo, aulas vem dar (síncope)

com o teu plano sem defeito... (ectlípse)

     Frase mnemônica para decorar as dez regras de metrificação:

     "Tendo paciência e Estudo você versejará tecnicamente direito
encontrando estética e lirismo."
(T = tônica; p = pontuação; e = encontros consonantais; v = vogal
fraca; v = vogal forte; t = três vogais; d = ditongos; e = encontros
vocólicos ascendentes; e = encontros vocálicos descendentes; l =
licenças poéticas).

Luiz Otávio