MARIA NORMA SALGADO MARCONDES, ou simplesmente "Dona Norma", de tradicional família pindamonhangabense, nasceu em 31 de março de 1925. A pureza de seus versos é contagiante. E sua vontade de fazer trovas... maior ainda!


Fé, palavra pequenina,
por alguns tão esquecida.
Porém palavra divina
que rege a força da vida.

PRIMAVERA
As flores de nossas vidas
na Primavera colhemos.
No Outono, folhas caídas,
só de saudade vivemos...

PRIMAVERA
Nas flores da Primavera
os meus sonhos construí,
meus castelos de quimera
com enlevo eu vivi...

VITÓRIA
Para conseguir vitória
temos muito que lutar.
Sem tropeços não há glória
para os louros alcançar...

COLHEITA
Semeando muito amor,
fartas colheitas teremos,
pois das mãos do Redentor
graças mil receberemos!

HONRA
Aprendi desde criança,
pelos meus pais ensinado,
que a honra é a maior herança
do caráter bem formado!

CRIANÇA
Ao sorrir uma criança,
com a pureza que é só sua,
está dando uma esperança
a tantas outras da rua!

CRIANÇA
Criança com bem querer
na sua pequena idade,
ela sabe sem saber
o que é felicidade.

CRIANÇA
Se sentires incerteza
nunca percas a esperança,
pois encontrarás firmeza
num sorriso de criança!

MÃE
Nos mares de nossa vida
tal qual fanal nos guiando,
temos nossa mãe querida
das procelas nos guardando.

SAUDADE
Meu velho sítio revendo,
a saudade me tocou;
mas vi nos netos crescendo
que a vida continuou...

MENTIRA
Quem se serve da mentira
querendo a meta atingir,
não vê que o que tem em mira
jamais irá conseguir!

TEMPO
O tempo passou depressa,
eu quase não percebi.
Só senti tamanha pressa,
quando no espelho me vi...

BRASIL
Brasil de todas as raças,
que te acolhe, oh viajor!
Nele teu destino traças
e recebes muito amor!

BRASIL
Brasil do verde e amarelo,
com suas matas em flor.
No seu solo rico e belo
quero semear muito amor!

NATAL
Quem sabe neste natal,
os homens possam sentir
aquele amor fraternal
que não sabem dividir...

NATAL
É o milagre do natal,
sinos alegram crianças
daquele pobre arraial
com repiques de esperanças!

SAUDADE
Tal qual orvalho que molha
os campos e a plantação,
a saudade também molha
com pranto a recordação...