ACADEMIA PEDRALVA - LETRAS E ARTES
(o primeiro "Salão" apresentou uma amostragem de trovas antigas, que já fazem parte de nosso "folclore trovadoresco")

TROVAS ESCOLHIDAS:

Duas coisas neste mundo
podemos contar a dedo:
livro que volta a seu dono;
mulher que guarda segredo.
ALBERTINA CARVALHO

Eu vi minha mãe rezando
aos pés da Virgem Maria.
Era uma santa escutando
o que outra santa dizia.
BARRETO COUTINHO

Mulher quando quer, eu acho
que nem Deus a desanima:
é água de morro abaixo,
é fogo de morro acima.
BELMIRO BRAGA

Parece troça, parece,
mas é verdade patente
que a gente nunca se esquece
de quem se esquece da gente.
JADER DE ANDRADE

Até nas flores se encontra
a diferença na sorte:
umas enfeitam a vida,
outras enfeitam a morte.
JERÔNIMO GUIMARÃES

A tua jura não passa
de falsidade patente:
engana como a cachaça,
que alegra, tombando a gente.
LINDAURO GOMES

Ó trovas - simples quadrinhas
que têm sempre um quê de novo...
Como podem quatro linhas trazer
toda a alma de um povo?
LUIZ OTÁVIO

Luto preto é vaidade
neste funeral de amor...
O meu luto é a saudade
e saudade não tem cor.
NOEL ROSA

O filho do carpinteiro
foi um artista profundo:
com três cravos e um madeiro
fez a redenção do mundo.
RAUL PEDERNEIRAS

Não choro a minha cegueira,
choro a falta do meu guia:
minha mãe, quando era viva,
eu era um cego que via.
TITO DE BARROS
--------------------------------------------------------------------
NOTA = esse material foi uma gentil contribuição do "Magnífico Trovador" IZO GOLDMAN, da UBT São Paulo/SP