FONTE LUMINOSA

Da fonte luminosa, emergem espargidos,
contínuos jactos de água em cores variantes,
que , em suaves vaivéns, são sempre repetidos
em mesclas divinais de encantos e corantes.

Seus azuis celestiais, nos jactos expelidos,
parodiam, no céu, os azuis contagiantes,
enquanto pela relva, os grilos escondidos
teimam a musicar esses vaivéns constantes

Sempre a água sobe e desce e sofre mutações,
imita nossa vida onde há tão falsos pomos
colhidos cegamente em muitas ocasiões...

A fonte é um painel de passageiras cores,
a vida é um painel de mentirosos cromos,
dois cromos celestiais, cromos enganadores.