STABAT MATER 

Newton Vieira                                 

 

No Gólgota, padece o Justo... Consternada,

Em meio às trevas chora a natureza, enquanto,

Na mão do cruel destino, a mais aguda espada

Trespassa de Maria o afável peito santo...

 

A tudo a Nazarena assiste ali, calada...

Nos olhos flébeis, traz uma expressão de espanto...

Talvez pense em gritar, mas onde a voz, coitada?

Perdeu-a num soluço ante flagelo tanto...

 

Ó Virgem, tendes na alma imensa desventura,

Por serdes filha e mãe, de modo sobre-humano,

D’Aquele que Vos fez Lírio na lama impura

 

E agora, escarnecido, está pregado à cruz.

Celeste – a vossa mente alcança todo o Arcano...

Terrena – a vossa ânsia é ir antes de Jesus!...

 

 

 

 

///////////////////////////////////////////////                                ///////////////////////////////////////////////////

   

NOSSA SENHORA DA SAUDADE

 

Newton Vieira 

 

Maria, a mente humana, nem de leve,

Consegue imaginar a vossa dor,

Nas horas infernais da Parasceve,

Quando vistes, exangue, o Redentor,

 

E percebestes que Ele iria, em breve,

Depois de tanto irradiar o Amor,

Ser castigado como quem se atreve

A cometer um crime aterrador.

 

Naquele instante, ó Virgem doce e pura,

Sofrestes, nos refolhos, a tortura

do gládio pelo Oráculo predito...

 

Sem vosso Cristo, fostes, em verdade,

Também pregada à cruz: a da Saudade,

Cujo tamanho excede o do Infinito!...