www.falandodetrova.com.br/colunasecolunistas

HERANÇA POÉTICA
Colaboração de Maria Thereza Cavalheiro

TROVAS SOBRE O “LIVRO” - abril 2017

 
           Comemora-se, em 23 de abril, o “DIA MUNDIAL DO LIVRO E DO DIREITO AUTORAL”, uma data importante, em que podemos presentear também parentes e amigos com uma leitura agradável e salutar. É sempre oportuna a frase do notável Padre Vieira: ”O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive”.

          O livro é o melhor amigo, porque tudo ensina. Uma boa companhia nas horas de solidão. Espairece a angústia. Alegra o coração. E nada pede em troca.  
      
          Não fosse o livro, quanto da História se perderia! Ele está presente em todos os momentos de nossa vida, desde o nascimento até a partida para o mundo sideral.

         O “Dia Mundial do Livro”, cuja finalidade é promover o gosto pela leitura e o amor aos livros, assim como a proteção aos direitos autorais, foi criado oficialmente, em 1995, na XXVIII Conferência Geral da UNESCO. Mas, informalmente, já era comemorado desde 7 de outubro de 1926, dia do nascimento de Miguel de Cervantes, na Espanha; depois, em 1930, foi mudada para 23 de abril, dia de sua morte. O “Dia” homenageia também o inglês William Shakespeare e o peruano Garcilazo de La Vega (El Inca), ambos falecidos em 23 de abril de 1616.

          O primeiro livro publicado em série foi a Bíblia, após a criação da prensa tipográfica, por Johannes Gutenberg (1398/1468). No Brasil, o primeiro foi “Marília de Dirceu”, de Tomás Antônio Gonzaga.
Vejamos o que poetas nossos, que já partiram, escreveram sobre o livro, de tão grande valia:
 
Todo livro, quando aberto,
é pólen, é flor, é fruto...
Fechado é sombra, é deserto,
é silêncio, é campa, é luto.
CYRO ARMANDO CATTA PRETA
 
“Livro é presente de amigo”
- é o que se diz fartamente.
E eu acrescento comigo:
“Livro é um amigo presente”.
ANATOLE RAMOS
 
Aberto em asas de paz,
na escola, no lar, na igreja,
por todo o bem que nos faz,
o livro bendito seja!
VERA VARGAS
 
Semeador de esperanças,
Lobato foi mais além:
dando livros às crianças,
semeou sonhos também!
DAVID DE ARAÚJO
 
De livros encham-se as casas,
eis um conselho excelente,
pois o livro, aberto em asas,
põe asas n’alma da gente.
ORLANDO BRITO
 
Dai bons livros à criança
e um ensino permanente:
o livro é verde esperança,
que abre os caminhos da mente.
P. DE PETRUS
 
O livro, triste mar morto,
na estante, limpo, fechado.
Luzeiro, molde, conforto,
livro velhinho, ensebado.
NAIR STARLING
 
Livro bom, lido com calma,
traz emoção e alegria...
Por isso dói tanto n’alma
ver uma estante vazia!
HERMOCLIDES SIQUEIRA FRANCO
 
A luz que mais forte brilha,
que mais aclara e perdura,
tem origem na cartilha:
denomina-se Cultura.
JOSÉ NOGUEIRA DA COSTA
 
Livros há cuja estrutura
lembra a do arado, na essência:
- rasgam sulcos de cultura
no campo da inteligência.
CESÍDIO AMBROGI
 
Lobato foi semeador
de livros e de esperanças.
Guiava, como um pastor,
a alma simples das crianças.
MARINA TRICÂNICO
 
Dar um livro de presente
este remédio me enseja:
quem o dá é inteligente
e espera que o outro o seja...
APARÍ CIO FERNANDES
 
Bendito aquele que lança
um livro sério, profundo,
e faz voltar a esperança
que vai fugindo do mundo.
PAULO EMÍLIO PINTO
 
Um livro, um filho, uma planta,
pela estrada percorrida...
Quem consegue glória tanta,
plantou sementes na vida.
WILSON DANTAS
 
Nada mais belo, decerto,
no cenário da esperança,
que a imagem de um livro aberto
sob o olhar de uma criança!
JOSÉ LUCAS DE BARROS
 
Explorando um filão novo,
num estilo que não cansa,
Lobato ensinou ao povo
como se educa a criança.
AMÉLIA TOMÁS
 
Sempre em silêncio profundo,
entre dores e alegrias,
no livro se encerra um mundo
de eternas sabedorias.
REINALDO DE AGUIAR
 
O livro é o maior dos bens,
sem ele crescem teus males...
Dize-me os livros que tens
e eu te direi quanto vales.
DURVAL MENDONÇA
 
Mais sábio na vida é quem
possui a sabedoria
daqueles que sempre têm
bons livros por companhia.
SEBAS SUNDFELD
 
Deste espaço que, na vida,
preenchemos com tempo certo,
daremos conta devida,
da Vida no Livro aberto!
ALBERTO FERNANDO BASTOS